Servidor da Sedam é baleado durante confronto no parque estadual Guajará-Mirim


Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) informou que o servidor participava de uma equipe de fiscalização de rotina. Ele foi baleado no antebraço.


Porto Velho, RO -
Um servidor da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam) foi baleado durante um confronto da Polícia Militar (PM) com invasores, no Parque Estadual Guajará-Mirim, em Rondônia. O caso aconteceu durante o fim de semana e foi confirmado nesta segunda-feira (06) pela Sedam.

Em resposta ao jornalismo, a secretaria informou que o homem é um motorista. Ele e outros servidores participavam de uma fiscalização de rotina no parque, juntamente com uma equipe da PM, no momento em que foram emboscados por um grupo de pessoas.

O confronto durou aproximadamente 15 minutos e o servidor foi baleado no antebraço. Ele foi atendido no local com os primeiros socorros e depois encaminhado até um hospital, onde foi atendido e medicado. A Sedam informou que ele passa bem e já recebeu alta médica.

Em entrevista à Rede Amazônica, o secretário de estado da segurança, defesa e cidadania, José Hélio Pachá, informou que o policiamento na região foi reforçado após o episódio.


"A Polícia Civil já iniciou as investigações e estamos disponibilizando também uma de nossas aeronaves para reforçar esse patrulhamento", afirmou.

'Bico do Parque'

Em junho deste ano, foi deflagrada uma operação na área conhecida como "Bico do Parque", para combater a ocupação, comércio e a exploração ilegal de recursos naturais no Parque Estadual Guajará-Mirim.

O Bico do Parque é uma Zona de Amortecimento que serve para "filtrar os impactos" que ocorrem fora da unidade de conservação, como poluição e avanço da ocupação humana. Investigações iniciadas um ano antes da operação apontaram que os danos ambientais causados na unidade ultrapassavam R$ 80 milhões.

Algumas semanas após a ação, no dia 28 de junho, cerca de 60 famílias foram retiradas da mesma área.

Lei n° 1.089 e desmatamento

O parque estadual está localizado entre os municípios de Guajará-Mirim e Nova Mamoré. Recentemente, após a aprovação da lei complementar n° 1.089, os limites do parque estadual e da reserva Jaci-Paraná sofreram uma redução de aproximadamente 220 mil hectares.


A lei foi proposta pelo governador de Rondônia, Marcos Rocha (PSL), aprovada na Assembleia Legislativa do estado e sancionada em maio. Mas há duas semanas, a Justiça de Rondônia declarou a lei inconstitucional.


De acordo com o voto do relator, desembargador Jorge Ribeiro da Luz, os órgãos ambientais apontaram que não houve estudo prévio para mensurar os impactos ambientais da desafetação e mapear a população residente nas áreas.


Dados divulgados pela ONG WWF Brasil à Rede Amazônica, apontam que o desmatamento nas duas áreas aumentaram consideravelmente após a aprovação da lei, sobretudo no Parque Estadual Guajará-Mirim.

Histórico de desmatamento na Reserva Extrativista Jaci-Paraná e do Parque Estadual Guajará-Mirim
Os dados são referentes a janeiro a outubro de 2021
Desmatamento por Km²1100111115151313252510101313887755778833Reserva Extrativista Jaci-ParanáParque Estadual Guajará-MirimJaneiroFevereiroMarçoAbrilMaioJunhoJulhoAgostoSetembroOutubro051015202530
Fonte: ONG WWF
Conforme os dados da WWF, o Parque Estadual Guajará-Mirim não teve sequer um km² desmatado entre janeiro e abril deste ano. Após a aprovação da lei, o desmatamento na área já chega a 40 km².

Postar um comentário

0 Comentários