Adolescente é morto com cortes em cruz e depois esquartejado

Operação policial encontrou restos mortais de Kauã João Freitas

Porto Velho, RO - A Polícia Civil revelou que um adolescente de 17 anos foi vítima de um assassinato brutal na cidade de Xavantina, no Oeste do Estado. A investigação aponta que Kauã João Freitas, foi morto com cortes que formavam o desenho de uma cruz no abdômen. Em seguida, os dois suspeitos do crime, de 18 e 37 anos, esquartejaram o corpo e espalharam pelo matagal no interior do município. Na quarta-feira (8), as equipes encontraram os restos mortais da vítima.

Conforme as investigações, o que teria motivado o crime é ciúmes. O suspeito do assassinato, de 37 anos, acreditava que Kauã fazia insinuações para sua esposa. A vítima morava em Chapecó, quando, em 14 de abril, foi para o município vizinho Xaxim, para trabalhar. Lá, ele foi surpreendido pelos dois homens, que o levaram para uma chácara em Xavantina, cidade ao lado.

A operação na quarta-feira começou em Xaxim. Os policiais foram até a casa do suspeito de 18 anos, que confessou, segundo o delegado Vagner Papini, que teria participado da morte do adolescente. Depois, a equipe seguiu até um sítio em Xavantina, cujo dono é o suspeito de 37 anos.

O inquérito apontou que os dois teriam convencido o adolescente a ir com eles para o mato, e lá, o amarrado pelas mãos em uma árvore próxima a um riacho. Eles teriam falado para Kauã que o matariam. A vítima teve dois cortes feitos em formato de cruz no abdômen — os suspeitos confessaram que foi esse o ferimento que levou a morte do adolescente.

Para esconder os vestígios do crime, os suspeitos desmembraram o corpo de Kauã. Em depoimento, um dos suspeitos teria afirmado que, primeiro, cortaram a cabeça, depois, os membros superiores e inferiores. Os restos mortais, como os braços, foram escondidos em tocas de tatu espalhadas pela chácara. Já o tronco teria sido levado para outro lado do riacho.

Na operação de quarta, policiais civis e militares e cães farejadores encontraram também pedaço da corda utilizada para amarrar Kauã e um tênis que o adolescente usava no dia em que desapareceu. De acordo com o delegado, o inquérito será enviado para a Justiça.

“As buscas duraram oito horas e ainda continuam. Entretanto pelo terreno ser íngreme e pelas fortes chuvas, nós acreditamos que as partes do corpo foram levadas pelo rio”, explicou. Apesar de não terem encontrado o corpo de Kauã, os policiais já possuem provas suficientes para o crime. Os dois suspeitos tinham antecedentes criminais e foram presos temporariamente no presídio de Chapecó.

Fonte: Diário da Amazônia


Postar um comentário

0 Comentários