Jaqueline Cassol fala sobre sua participação e a do PP nas eleições e comenta cenário político atual no Estado.


Jaqueline falou sobre investimentos que trouxe para Rondônia

Porto Velho, RO - A deputada federal Jaqueline Cassol, conversou nesta semana com a reportagem do ALÔ RONDÔNIA em Ji-Paraná, ocasião em que comentou acerca de sua pré-candidatura ao Senado Federal, falou sobre investimentos de seu mandato para o Estado e avaliou o momento político rondoniense com relação às eleições.

A deputada falou de suas experiências na vida pública, o que, em seu ponto de vista, a respalda para disputar a única vaga à disposição em Rondônia ao Senado, a fim de dar mais amplitude a sua atuação parlamentar, que, apesar de ser muito forte em termos de carreamento de recursos para o Estado, também tem expressividade em agendas nacionais, inclusive com a aprovação de dois importantes projetos de lei, um voltado a revalidação periódica de médicos formados no exterior e o outro disponde de ações de proteção de crianças e adolescentes contra violência doméstica.

Jaqueline também foi relatora de outros projetos relevantes, tem participação muito ativa nos debates da Câmara Federal, e é fiel a base do presidente Jair Bolsonaro, tendo acesso muito facilitado ao Ministro Chefe da Casa Civil, seu correligionário Ciro Nogueira.

Jaqueline falou sobre investimentos que trouxe para Rondônia, destacando que foram mais de R$ 220 milhões para o Estado distribuídos pelos 52 municípios, com verbas destinadas a todos os setores, da saúde e educação até obras e incentivo ao produtor, passando também pelas áreas social, do esporte e da cultura, entre outras.

Ela também falou sobre o PP de Rondônia com relação às eleições, afirmando que o partido está mesmo fechado com o PODEMOS em torno da pré-candidatura de Léo Moraes ao governo, além de contar com nominata forte para as disputas proporcionais, com meta de eleger um deputado federal e até três deputados estaduais.

A respeito de rumores sobre eventual desistência de seu projeto para ser candidata a vice-governadora, Jaqueline disse que tal cargo não tem nada a ver com seu perfil proativo e capacidade de liderança, além de estar se preparando há muito tempo para “representar Rondônia e a mulher rondoniense na Câmara Alta”.

Finalizando, a pré-candidata avaliou que o cenário político-eleitoral deste ano é diferente de 2.018, quando aconteceu a chamada “onda Bolsonaro”, que beneficiou muita gente nas urnas, inclusive aqui em Rondônia.

“Dessa vez o quadro é outro, e mesmo tendo o presidente Jair como líder inconteste nas pesquisas aqui do Estado, os demais serão avaliados pelo que fizeram, e neste quesito estou de consciência tranquila e com a sensação plena de dever cumprido”.

DA REDAÇÃO (COM INFORMAÇÕES DO EXTRA DE RONDÔNIA)


Postar um comentário

0 Comentários