Guerrilha do Araguaia: O extermínio de comunistas que o Exército tentou ocultar



Porto Velho, RO - Laura Petit da Silva perdeu três irmãos na ditadura militar. Lúcio, Jaime e Maria Lúcia eram militantes do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e, em 1970, juntaram-se ao núcleo da luta armada que ficou conhecido como a Guerrilha do Araguaia, no Norte do país.

Formado por cerca de 70 combatentes, o grupo foi dizimado pelos militares, que jamais informaram o destino dos mortos. Os irmãos Petit eram considerados desaparecidos até que, há 25 anos, uma reportagem do GLOBO revelou a foto do corpo de Maria Lúcia com um saco na cabeça.

- Nós sabíamos que ela tinha sido executada numa emboscada em junho de 1972, porque uma pessoa próxima nos contou seis meses depois. Mas não sabíamos que o Exército tinha anotações e fotografias da minha irmã morta.

Eles assassinaram Maria Lúcia e esconderam o corpo - desabafa Laura, que luta para encontrar as ossadas de Jaime e Lúcio. - É lamentável nosso país ter tanto desprezo pelos direitos humanos e continuar torturando as famílias dos mortos na ditadura. Vivemos um luto sem fim, sem poder sepultar nossos parentes.

O manto de sigilo imposto pelas Forças Armadas sobre o extermínio da Guerrilha do Araguaia permanece até hoje. Em 2010, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil a investigar a operação do Exército que, entre 1972 e 1975, erradicou o movimento.

A sentença determinou que o Estado deveria esclarecer as responsabilidades e aplicar as sanções pela "detenção arbitrária, tortura e desaparecimento forçado de 70 pessoas". Mas muito pouco foi feito. Os dados mais relevantes foram revelados pelo trabalho extraoficial de jornalistas, parentes de mortos, pesquisadores ou mesmo de militares da reserva decididos a contar o horror do qual foram cúmplices. Ainda assim, quase 50 anos após campanha do Exército no Araguaia, apenas duas ossadas de combatentes mortos descobertas na região foram identificadas.

Trata-se de um dos capítulos mais violentos da ditadura militar. Oriundos de diferentes partes do Brasil, os militantes do PCdoB começaram a chegar, no fim dos anos 60, à região conhecida como Bico do Papagaio, entre os estados do Pará, Maranhão e Goiás, por onde passa o Rio Araguaia. Habitado por famílias de lavradores que viviam na miséria, trabalhando em fazendas de latifundiários, o local era considerado ideal para se iniciar uma revolução contra o governo militar.

Os guerrilheiros, na maioria ex-estudantes universitários na casa dos 20 anos de idade, instalaram-se abrindo pequenos estabelecimentos, dando aulas para analfabetos, fazendo atendimentos médicos e exercendo diversas outras atividades.


Moradores do Araguaia abordados durante bliz do Exército na campanha contra a guerrilha | Foto de arquivo

Durante anos, os "paulistas", como eram chamados pelos locais, criaram vínculos com os moradores, enquanto realizavam treinamentos na selva e faziam propaganda política em pequenas reuniões. Estavam espalhados por uma área de 6500 quilômetros quadrados, divididos em três destacamentos (A, B e C).

Mas, pouco numerosos e com armamento tímido, eles ainda se preparavam para sua revolução quando foram descobertos, no início de 1972, após a prisão e tortura de um guerrilheiro que abandonara a mobilização meses antes e com as informações fornecidas por outra militante, Lúcia Regina Martins, mulher de Lúcio Petit, que também havia deixado a selva, grávida e com problemas de saúde.

Em abril de 1972, há 50 anos, as primeiras tropas chegaram ao Araguaia para combater a guerrilha, perto das cidades de Xambioá, no Norte do território que é hoje o Tocantins, e Marabá, no Pará. Mas, como os militantes estavam já bastante treinados e ligados à comunidade, e como os soldados eram inexperientes naquele tipo de batalha, foram necessárias três grandes operações envolvendo milhares de homens, durante dois anos, até que a guerrilha fosse derrotada. Na campanha, o Exército cooptou camponeses por meio de recompensas e represálias.

Foram usados armamentos pesados, como bombas incendiárias lançadas em locais da selva onde investigações apontaram acampamentos revolucionários. Prisioneiros foram torturados e mortos. Houve até mesmo decapitações. Entre os militares, estima-se em dez o número de mortos durante confrontos.

Tropas do Exército durante a campanha contra a guerrilha do Araguaia | Foto de arquivo

Em 1975, as Forças Armadas começaram uma operação de ocultação dos fatos, sob ordens do então presidente, Ernesto Geisel. Mais de 60 guerrilheiros haviam sido mortos, a maioria deles após a prisão. Seus corpos foram retirados das covas rasas e incinerados, assim como farta documentação.

O trabalho foi feito de forma tão meticulosa que, até hoje, apenas duas ossadas foram descobertas e identificadas. Cerca de 50 guerrilheiros mortos ainda são considerados "desaparecidos políticos".

- A campanha militar do Araguaia rompeu até mesmo com o verniz de legalidade que a ditadura criou para promover sua repressão - diz a historiadora Maria Cecília Vieira de Carvalho, que esteve na região acompanhando um grupo de trabalho da Comissão Nacional da Verdade (CNV), em 2012, e, mais tarde, elaborou a dissertação de mestrado "Não façam prisioneiros! o combate e o extermínio da Guerrilha do Araguaia", da UFMG. - Por isso, o Exército mantém esse silêncio até hoje.


O hoje político José Genoíno, logo após ser preso na região do Araguaia | Reprodução

Mais de 20 anos depois do extermínio da guerrilha, um militar decidiu que aqueles eventos não podiam mais ficar escondidos. Sem se identificar publicamente, ele entregou um caixote cheio de papéis ao Jornal O GLOBO.

Durante meses, uma equipe de repórteres se debruçou sobre as informações, dividindo-se em tarefas. No dia 28 de abril de 1996, o diário começou a públicar a série de reportagens que trouxe, pela primeira vez, documentos do Exército sobre os mortos do Araguaia. Eram fotografias, fichas com dados pessoais e anotações feitas a mão por membros das Forças Armadas. O conteúdo provava que muitos dos "desaparecidos" haviam sido presos, antes de "sumirem" quando estavam sob custódia do Estado.

- Até hoje, há muita falta de informação sobre a Guerrilha do Araguaia, mas, na época, era um assunto ainda mais obscuro. A reportagem revelou documentos do próprio Exército sobre o que aconteceu naquele episódio - conta a jornalista Adriana Barsotti, que assinou a série de reportagens com de Amauri Ribeiro Jr., Aziz Filho, Cid Benjamin e Consuelo Dieguez. - Peguei as fotos e fui batendo de casa em casa para falar com as famílias de desaparecidos e ver se eles identificavam seus parentes nas imagens.


Helicóptero usado pelos militares no Araguaia | Foto de arquivo

O trabalho, que ganhou o Prêmio Esso de Reportagem de 1996, contou, entre outras, a história de Maria Lúcia Petit, morta com um tiro no peito logo no início da campanha militar no Araguaia, em junho de 1972. Em 1991, parentes de desaparecidos começaram escavações no cemitério de Xambioá, onde uma ossada foi descoberta e enviada à Unicamp, que já trabalhava na identificação de restos mortais descobertos na Vala de Perus, em São Paulo.

Entretanto, mesmo com os vários pedidos de Lúcia Petit, irmã da guerrilheira, a identificação da ossada só foi realizada após a publicação da reportagem no GLOBO. A perícia confirmou que os restos mortais eram de Maria Lúcia, cuja familia pôde, então, sepultar a ex-professora primária, num cemitério em Bauru, onde morava a sua mãe.

- Tudo o que joga luz sobre aquele período de trevas do país ganha muita importância, porque ajuda a construir partes da História que os militares tentaram esconder - comenta o jornalista Aziz Filho. - A reportagem contou as histórias de pessoas que tinham morrido combatendo a ditadura. Eram jovens que deixaram suas vidas nas cidades em função de um ideal.


Escavação no cemitério de Xambioá que encontrou ossada do guerrilheiro Bergson Gurjão, em 1996 | Foto de Frederico Rozário/Agência O GLOBO

Desde a redemocratização, diiversos trabalhos tiraram do breu tudo o que se tem ciência hoje sobre o Araguaia, transpondo barreiras impostas até hoje pelas Forças Armadas. Em alguns casos, foram os próprios militares que decidiram revelar o que sabiam. Em 1993, o então coronel da reserva Pedro Corrêa dos Santos Cabral lançou o livro "Xambioá — Guerrilha no Araguaia", no qual ele relata como pilotou um helicóptero com a missão de ocultar corpos de combatentes mortos.

Em 2002, o jornalista Elio Gaspari lançou "A ditadura escancarada" (Companhia das Letras), segundo volume de sua série sobre o regime militar, com um capítulo dedicado à Guerrilha do Araguaia. Dez anos depois, o livro "Mata!: Major Curió e as guerrilhas do Araguaia" (Companhia das Letras), de Leonencio Nossa, levou a público segredos do arquivo pessoal do major Sebastião Rodrigues de Moura, o Curió, um dos comandantes da campanha de repressão. O trabalho revela torturas e execuções e evidencia que a ordem para matar partiu do Palácio do Planalto.


Sebastião Curió, um dos líderes da repressão no Araguaia, em imagem de 1992 | Foto de Carlos Humberto/Agência O GLOBO

Em 2019, o também jornalista Eduardo Reina lançou "Cativeiro sem fim" (Alameda Editora), tirando do silêncio o drama de pessoas que eram crianças quando foram sequestradas por militares durante a campanha no Norte do Brasil. São filhos e filhas de camponeses e guerrilheiros arrancados de suas famílias e criados por pessoas ligadas às Forças Armadas, em cidades distantes do Araguaia.

- No livro, eu conto sobre uma ação do Ministério Público Federal (MPF) que chegou a flagrar integrantes do Exército indo à casa de moradores do Araguaia, recentemente, para impedi-los de revelar informações sobre os mortos nos anos 70 - diz Reina, que ficou 20 dias na região do Araguaia, pesquisando para o livro. - Senti que ainda há muito receio das pessoas de falar sobre aquela época, mesmo depois de quase 50 anos. Eles ainda temem represálias dos militares.

Fonte: O Globo

Postar um comentário

0 Comentários