Publicidade

PF prende blogueiro bolsonarista por determinação do ministro Alexandre de Moraes

O blogueiro é acusado de ações contra a ordem

Porto Velho, Rondônia - A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira (3) o blogueiro bolsonarista Wellington Macedo. A ação foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e atende a um pedido da Procuradoria-Geral da República.

A imprensa apurou que Macedo foi preso em um hotel de Brasília. Em nota, a Polícia Federal confirmou a prisão e não divulgou maiores detalhes sobre o caso. "A medida, cumprida em Brasília, tem o objetivo de aprofundar investigações em curso nos autos de inquérito que tramita naquela Corte", diz o comunicado.

Macedo é investigado no Supremo em um inquérito que investiga a organização e o financiamento de atos contra as instituições e a democracia.

Nesse mesmo inquérito, Moraes autorizou, na semana passada, uma operação com buscas e apreensões em endereços ligados ao cantor Sérgio Reis e ao deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ).

Blogueiros e STF - Macedo não é o primeiro blogueiro bolsonarista a ser investigado e ter a prisão determinada pelo STF por condutas relacionadas à disseminação de notícias falsas e ameaças a autoridades.

Em junho de 2020, Moraes determinou a prisão de Oswaldo Eustáquio durante a investigação da organização e do financiamento de atos antidemocráticos na Esplanada dos Ministérios.

Segundo as investigações, à época, Oswaldo Eustáquio defendia de forma oblíqua uma ruptura institucional. Os investigadores citam por exemplo uma postagem em que ele afirma:

"Esse Supremo Tribunal Federal... corrupto... corrupto, que que ele fez? [Está] mancomunado com o Rodrigo Maia. [....] Em 64 não houve golpe militar, foi um contragolpe... porque daqui a pouco as pessoas vão falar: Oswaldo, você é a favor de uma intervenção militar? Não, eu sou a favor de uma intervenção do povo".

Também naquele mês, a extremista Sara Giromini e outros cinco investigados foram alvos de mandados de prisão preventiva. O grupo chegou a acampar na Esplanada dos Ministérios e a disparar fogos de artifício na direção do prédio do STF.

Novo inquérito - Em julho deste ano, a Polícia Federal abriu um novo inquérito para apurar indícios de atuação de um grupo organizado para atentar contra a democracia e o Estado democrático de direito.

Essa investigação é derivada do inquérito que apurou os atos antidemocráticos de 2020. Nela, o STF já autorizou a prisão do ex-deputado federal e atual presidente do PTB, Roberto Jefferson.

Na última terça (31), Moraes decidiu manter a prisão preventiva de Jefferson. Segundo o ministro, a detenção do político é necessária diante dos riscos de ele interferir nas investigações e à ordem pública.

Fonte – G1

Postar um comentário

0 Comentários