Publicidade

Membros de facção criminosa serão julgados dia 11 de outubro por assassinato de rival

Momento da prisão de membro da quadrilha


Porto Velho, Rondônia - No próximo dia 11 de outubro, sete membros da facção criminosa “CV” serão julgados pelo tribunal do Júri de Porto Velho pelo assassinato a tiros, de Wellington Marinho Cordeiro dos Santos, ocorrido na madrugada do dia 24 de abril de 2019, na “Praça da Esperança”, localizada na Avenida Mamoré e José Vieira Caúla, bairro Esperança da Comunidade, zona sul da capital.

Os acusados são: Jaedson Vieira dos Santos, vulgo “Menor”, 21 anos, Alison Aires Almeida Aquino, vulgo ´Menor Alison´, de 22 anos, Wanderley Cardoso Moura, vulgo ´Overdose´, de 33 anos, Paulo Henrique Alves Braga, vulgo ´Paulinho´, 19 anos, Hiasmim Carvalho da Silva, vulgo ´Morena Problemática´, 20 anos, Jeferson Silveira da Luz, vulgo ´Buiu´, 24 anos, e Leivisson Ferreira Santos, vulgo ´LV´, 26 anos.

Os indicados serão julgados por homicídio qualificado e por integrar organização criminosa. A vítima, alías, era apontada pelos acusados de pertencer a uma facção rival e, por isso foi morta. A Polícia desvendou o crime após chegar ao nome de ´LV´, que confessou o crime e estar ´fechado´ com o CV, mesmo não ´tendo sido batizado´, dando detalhes que levaram os policiais ao restante do bando.

Segundo LV, no dia do crime, recebeu uma ordem para “matar um integrante do PCC MOSCANDO”, através de mensagem de WhatsApp e que existe um grupo chamado “Puro e sem mistura”, que pertence a esta facção criminosa e onde recebem ordens para matar. Após a ordem ele se reuniu com os dois “irmãos” para procurar algum integrante do PCC que estivesse “na rua moscando e matasse”.

A ordem da morte do menor foi dada por Elton (vulgo Bad Boy) de dentro do sistema penitenciário. Elton foi ouvido em juízo e confirmou que é integrante da facção CV e que ocupa o cargo de tesoureiro 01, e que possuía como auxiliar a integrante ´Morena Problemática´. Foi Elton que também deu ordens para que Morena fornecesse as armas utilizadas no crime.

De acordo com a Polícia, Leivisson foi o responsável por dirigir o carro, buscou Jaedson, Alisson e, por último, Wanderley e, já sabendo, onde a vítima estaria, partiu em direção a praça conhecida como “praça do Esperança”. Lá chegando, avistaram wellington, deram a volta na quadra, estacionaram e desligaram o farol do carro.

Já de arma em punho, à exceção de Leivisson os demais desceram do veículo e foram em direção a vítima, sendo que Jaedson e Alisson tentaram atirar sem sucesso (uma vez que suas armas falharam) tendo Wanderley atirado contra Wellington que ainda rastejou pela quadra e morreu na margem de um jardim daquela praça.

Em seguida, os quatro saíram (ainda de farol apagado) e dirigiram-se para o residencial Orgulho do Madeira. Momentos depois, os grupos de whatsapp do Comando Vermelho comemoraram a morte da vítima. Foi noticiado que todos são integrantes da facção criminosa Comando Vermelho e quanto ao homicídio temos que: Elton, de dentro do presídio e se utilizando de uma linha telefônica, deu ordens a Leivisson para matar o integrante da facção rival.

Postar um comentário

0 Comentários