Publicidade

Lenha na Fogueira



Na próxima terça feira 7 de setembro, Cecileide vai apresentar a sociedade de Porto Velho, em especial, aos historiadores o documentário “Dia de Feira”.

**********

Fui convidado a registrar meu depoimento e o fiz com a maior felicidade, pois, praticamente minha infância e adolescência, foi participando das feiras: 

**********                                                           

Primeiro em frente ao Mercado Municipal (hoje Cultural), depois na Rua do Coqueiro e por fim na Feira Modelo que hoje é conhecida como Mercado Central.

********** 

Assim como eu a Ciceleide também teve seus dias de Feira, inclusive seu Pai e a senhora sua Mãe integram o documentário como principais protagonistas. 

********** 

Veja o que ela escreve sobre o Documentário, que será exibido no Mercado do Cai N’água as 9 horas do dia 7 de setembro: 

**********

“Dia de Feira é um documentário que surgiu do amor de uma família pelas suas origens. Da vida no sertão do Ceará às portas que se abriram na Amazônia, conheceremos as trajetórias de dona Maria de Lourdes da Silva e seu Cícero Correia da Silva, um dos fundadores da famosa Feira do Cai n’Àgua.  Nessa viagem ao passado, poderemos visitar a história da nossa terra pela perspectiva de uma das muitas famílias que aqui encontraram seu caminho e contribuíram para o crescimento de Porto Velho/RO. Vem com a gente visitar essas memórias”

***********

Lembrando que antes o que hoje conhecemos como Feira do Cai N’água antes foi a Feira do Pescado.

 ********** 

Bom, como escrevi lá em cima, o documentário, mesmo antes de assisti-lo, me fez voltar ao meu tempo de infância.

**********

Pois fui praticamente criado nas feiras, aonde minha mãe dona Inez, tinha “BANCA” de venda de comida.

 ***********

 Tudo começou quando viemos de Guajará Mirim para Porto Velho, no início ano de 1951. Aqui chegando, fomos morar em uma casa pertencente a dona Maroca que ficava a rua Carlos Gomes e minha mãe conseguiu autorização para colocar uma BANCA na Feira que funcionava em frente ao Mercado Municipal.

 ***********

A época, estavam construindo o Palácio do Governo, cuja inauguração só aconteceu no ano de 1954 e em consequência, a Feira Livre foi transferida para a Rua do Coqueiro, entre o Clube Ferroviário que a época estava sendo construído para ser a Estação de Passageiros da Estrada Ferro Madeira Mamoré e o SALFT.

 ***********

 A Feira ficou na Rua do Coqueiro até que terminasse a construção do galpão. que abrigou a “Feira Modelo”, inaugurada pelo governador Ênio Pinheiro. Nesse interim, apesar da pouca idade, eu procurava ajudar minha mãe, carregando água para as BANQUEIRAS e vendendo SACO que era feito com folhas de Saco de Cimento.

 ***********

 Quando a Feira passou para o Galpão construído no quadrilátero formado pelas vias: Euclides da Cunha, José do Patrocínio, Farquar e Travessa Renato Medeiros, aí minha Mãe não colocou BANCA nessa feira porque o Diretor da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (não lembro seu nome), cedeu o espeço entre a rua 7 Setembro e o Início da Ladeira da Farquar (sentido bairro Caiari), para algumas pessoas, entre elas minha mãe e ali construímos uma casa onde passamos a morar. Minha mãe então montou o que a época, era   conhecido como “PENSÃO” hoje seria RESTAURANTE. Nossa Pensão ficava em frente a Feira Modelo no terreno que até pouco, tempo existia um ponto de ônibus.

***********

 Enquanto isso, eu continuava vendendo SACO na feira e atendendo as banqueiras colocando água e fazendo recado para os donos de box.

***********

Minha vivencia ne feira livre só parou, quando chegou um interventor para assumir a EFMM em 1966 e deu apenas um MÊS (30 DIAS), para os proprietários daquelas casas que existiam na Farquar SAIREM e o que foi pior, não destinou nenhum outro local para aquele povo construir suas casas.

**********

Nessas alturas eu já trabalhava, desde de 1960, na Sociedade de Cultura Rádio Caiari. Porém, até hoje, me considero da TURMA DA FEIRA!

Postar um comentário

0 Comentários